Uma fresta é suficiente*

À medida que o médico sentado diante de mim – numa cadeira visivelmente mais confortável que a minha – ia traduzindo o resultado da bateria de exames feitos às pressas, as letras do diagnóstico indecifrável iam se reorganizando em minha mente: “Você vai morrer em quatro meses”.

Não era possível sonhar mais com as férias de verão do ano seguinte; meu crepúsculo fora antecipado. Eram tantos planos… O principal era deixar o celular em casa e me refugiar por alguns dias numa prainha perdida. De lá, ver o solstício de inverno, celebrar os dias que tanto gosto. Agora, ó, nada mais. Talvez por isso minha fixação com a cadeira do médico: se é para escutar assim que a morte me espera, que seja pelo menos sentando num desses montes de couro cheirando a dinheiro, de braços acolchoados e encosto para a nuca, giratório, com rodas e reclinável. Não nessa cadeirinha de escritório.

“Já fale com a recepcionista para marcar nosso próximo encontro, ok? Quero acompanhar seu caso de perto. Boa sorte!”. Sorri para dona Expedita e disse adeus. Não marquei retorno, próxima consulta e, ainda na porta do consultório, quebrei o cartão do plano de saúde. Retorno pra que? Acompanhar de perto o que? Aquelas tais fases da perda e do luto me vieram à mente mas só consegui me fixar à aceitação. O que foi bom, já que negar, ter raiva, me deprimir ou negociar, nenhuma dessas ações me ajudaria. Preferi ignorá-las, trocá-las por uma passada no boteco às 15h. “Tá cedo pra uma caipirinha, moço?”, falei para o garçom sorridente e escutei a resposta que eu queria: “Isso depende mais da sua sede que da hora do relógio”.

Abracei que minha sede pedia uma caipirinha. “Com pouco açúcar e muita cachaça, tá?”, pedi – enquanto ele anotava o pedido no bloquinho e eu tirava da mão direita a aliança dourada. Busquei o celular na bolsa, digitei o número de César e… caixa postal. Que sorte prazenteira – e irônica, para dizer o mínimo. “Olha, não volta a me procurar, desisti do nosso casamento e estou indo embora da cidade. Tudo assim, apressado mesmo e sem explicação. Fica com Deus, quem sabe a gente não se esbarra?”. Pronto, noivado resolvido.

Até ali, tudo bem. Como eu lidaria com o desespero do César é que não havia me ocorrido. Que seja. Para as revistas que esperavam minhas reportagens eu sequer ligaria ou mandaria e-mail. Elas que dessem pela falta. Se desesperassem. Providenciassem um calhau. Eu que não arrancaria mais cabelo algum pensando em prazo. Pra que, se minhas férias se foram? Pra que, se as bocas das noites tinham muito mais para render sem o trabalho na equação? Eu queria mesmo era madrugadas perdidas nas mãos das ruas, nos braços de um estranho gentil, com pouca roupa, dançando com a lua. Eu queria o imprevisível. Quatro meses sem pensar o próximo passo. O próximo passo não é mais meu. Entende?

curva

Fiz o mesmo com todo o resto: academia, mestrado, e-mails da minha mãe, teatro, que libertador me livrar da prestação do carro, cancelar a internet, desligar o celular, as roupas que estavam na costureira eu doei, o defeito do ar condicionado virou charme; cartão de crédito e coleção de sapatos, mandei tudo às favas!, nada daquilo mais me seria motivo de preocupação.

Até porque minha caipirinha – “tá bem azedinha, viu, moça” – havia chegado e, com ela, um recado. “Sede de caipirinha às 15h de uma quarta. Quem poderá nos julgar?”.

===
* Agradecimentos especiais a Dante Sasso e Renmero Rodriguez pela ajuda na edição e revisão.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s