Pelo registro

Hoje a pequena-amarela lembrou de um vídeo da sobrinha tentando empalar a gata Maroca no melhor estilo Felícia e refrescou na memória a existência do Qik. Instalamos a ferramenta nos espertos, setamos tudo e saímos atrás de mais um móvel pra casa. Da rua fizemos um vídeo. Pequena me perguntando sobre as expectativas pra compra e eu gastando verbo a respeito. Quando encerramos a conversa e ela apertou o stop, um play foi dado no meu cérebro: estamos com o registro desse momento disponível na internet.

Ai é que vem o ponto de virada, com o nosso total desapego em divulgar isso. Usamos o espaço do Qik apenas como repositório de memórias, pequenos trechos da nossa história gravados e disponíveis para enriquecer a contação do que chamamos de ‘nós’. Meus pais me fotografaram, alguns amigos têm filmes de quando eram crianças, mas nada se compara à possibilidade de arquivar aquilo enquanto acontece.

Estamos cada vez mais próximos de registrar a vida que passa diante de nossos olhos sem a necessidade de uma experiência de quase-morte e um videocassete a postos. Mas a importância do que o amigo Marcelo Rosa chama de pen drive da vida continua alta: ao chegarmos em casa, constatamos que o vídeo da Teodoro Sampaio fora perdido.

As possibilidades, no entanto, superam a decepção. Há, claro, os que usam a ferramenta como meio de transmissão de conteúdo, compartilhando conferências, debates e outras seriedades. Nós, no máximo, buscamos a memória perene. Obrigado, internet.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s