Máquinas podem amar

E qualquer coisa que elas queiram, inclusive cantar, tocar guitarra, baixo, bateria.

Esse vídeo é o trabalho de conclusão de curso de James Houston, da Glasgow School of Art, e idealizado a priori para participar do concurso de remixes de Nude, do Radiohead, mas que não entrou na disputa por que o cara perdeu o prazo de inscrição.

Para compor os sons que estão no vídeo, James Houston usou um Sinclair ZX Spectrum [guitarras], uma Epson LX-81 Dot Matrix Printer [bateria], um HP Scanjet 3c [baixo] e o arranhar de discos rígidos para as vozes e efeitos sonoros.

A idéia, para onde quer que ela fosse levada, é absolutamente fantástica.

Anúncios

Bandini lifestyle

Uma noite, eu estava na cama do meu quarto de hotel, em Bunker Hill, bem no meio de Los Angeles. Era uma noite importante na minha vida, por que eu precisava tomar um decisão quanto ao hotel. Ou eu pagava ou eu saía: era o que dizia o bilhete, o bilhete que a senhoria havia colocado debaixo da minha porta. Um grande problema, que merecia atenção aguda. Eu o resolvi apagando a luz e indo para a cama

John Fante – Pergunte ao Pó

É inerente à minha pessoa a incapacidade de me preocupar com as coisas ao ponto de perder o sono. Eu interpreto isso como um dom. Desde a época da escola, quando eu tinha provas filhasdaputa das quais dependiam minhas férias, passando pelas crises em namoros [a não ser quando envolviam certos períodos do mês, que aí é já é demais…], responsabilidades do estágio, até chegar aos prazos do projeto de conclusão de curso e da especialização… quase nada tem a capacidade de me roubar aquelas 3, 4, 5, 6, 7, 8 horas de sono.

Claro que às vezes eu me forço a ficar acordado para resolver pendências, mas insônia ligada a preocupações é o tipo de fantasma que não me ronda.

Cheguei a pensar nisso como insensiblidade, desrespeito, sei lá. Falta de tato, até. Mas como já dito, hoje interpreto isso como um dom. Ao que parece, o sono é a coisa mais simples de ser perdida, e quase nunca reencontrada.

O meu permanece aqui. Vence problemas de verdade e até aqueles que a gente inventa pra achar que tem alguma coisa errada.

Então, com sua licença, assim como meu amigo Arturo, vou aqui apagar a luz e respeitar meu sacrossanto dom.

A senhoria que se foda.

E o dia amanheceu em paz

Não, Arturo, nunca houve um mar. Você sonha e deseja, mas atravessa a terra desolada. Nunca verá o mar de novo. Era um mito em que certa vez acreditou. Mas tenho de sorrir, porque o sal do mar está no meu sangue e podem existir dez mil estradas sobre a terra, mas nunca irão me confundir, pois o sangue do meu coração sempre voltará para a bela fonte

John Fante – Pergunte ao Pó

A maldição, bendita maldição, continua.

I put a spell on you

Eu vou lhe deixar a medida do Bonfim
Não me valeu
Mas fico com o disco do Pixinguinha, sim!
O resto é seu

Trocando em miúdos, pode guardar
As sobras de tudo que chamam lar
As sombras de tudo que fomos nós
As marcas de amor nos nossos lençóis
As nossas melhores lembranças

Aquela esperança de tudo se ajeitar
Pode esquecer
Aquela aliança, você pode empenhar
Ou derreter

Mas devo dizer que não vou lhe dar
O enorme prazer de me ver chorar
Nem vou lhe cobrar pelo seu estrago
Meu peito tão dilacerado

Aliás
Aceite uma ajuda do seu futuro amor
Pro aluguel
Devolva o Neruda que você me tomou
E nunca leu

Eu bato o portão sem fazer alarde
Eu levo a carteira de identidade
Uma saideira, muita saudade
E a leve impressão de que já vou tarde.

Muse no Brasil

Saíram finalmente as datas oficiais dos shows do Muse no Brasil, depois de muito boato e especulação.

RJ – 30/07
SP – 31/07
DF – 02/08

Não é preciso dizer muita coisa, e não consigo dizer muita coisa.

Escrever essas poucas linhas está sendo um esforço infinito. A sensação que eu tenho é de descontrole eminente: não penso em outra coisa, comer foi uma dificuldade, o peito está pesado, tudo ao meu redor parece insignificante. Mas só vou deixar para perder a noção completamente durante o show, por que eu já quase destruo a minha casa quando vejo o Hullabaloo, então assisti-los ao vivo vai ser … … .

A casa, como sempre, está aberta aos incautos visitantes. Vai ser o show da minha vida. Espero que seja o da vida de vocês também…