Clipping

Vamos começar do começo…

Dia desses recebi um comentário de uma moça no meu flog falando que ela tava lendo meu livro-reportagem, que tava achando legal e que tava ajudando muito ela.

Entrei em contato e trocamos uns mails hoje. Descobri que meu livro vai servir de referência para a monografia dela no curso de Psicologia. Ela vai tratar da maneira como o rock influência na formação da personalidade dos jovens teresinenses. Ou algo parecido… 🙂

Viagem, né?

Poiszé… aí fui atrás das referências ao meu nome e o nome do livro no Google, pra ver se o Deus ex Machina tinha repercutido mais alguma coisa. E descobri um blog que tecera gigante e gentil comentário a respeito do livro e da minha iniciativa.

O comentário vai abaixo e o blog não existe mais, nem sei de quem é, por mais que eu pesquise… peguei de um documento que salvei a url e abriu aqui como mágica…

eu como admiradora de música, boa ou não, e como teresinense, piauiense e nonsense, sempre achei muito válida a idéia de alguém se propor a estudar e divulgar um pouco da história musical e mais precisamente roqueira de nosso estado, principalmente pelo fato de teresina ser ainda provinciana, e no interior do estado não ser muito diferente, e porque vivemos em um lugar em que o rock não tem grande expressão, embora tenhamos inúmeras bandas de rock que percorrem as mais variadas vertentes desse gênero acima de tudo versátil, e mesmo que eles façam shows com frequência aqui na capital não demonstra que o público piauiense é muito admirador do rock, considerando que a maioria ainda prefere ouvir forró, pagode, swuingueira ou afins . se no piauí o que se ouve de rock ainda é pouco e se restringe ao rock dos anos 80, ou bandas contemporâneas tipo charlie brown jr. e cpm 22, considerando raras exceções, o rock piauiense é bem menos conhecido, muitos não sabem que as bandas daqui produzem material próprio, e isso acaba sendo muito ruim pro cenário roqueiro do estado, onde temos bons artistas mas que não têm o devido reconhecimento, já que as pessoas ainda preferem os covers em detrimento da originalidade dos nossos artistas.

se hoje a realidade cultural, musical e sobretudo roqueira é preocupante, imagina como foi o surgimento do rock no estado, principalmente em teresina, tardiamente, na segunda metade dos anos 60?foi isso que um graduando(hoje graduado) em comunicação social da universidade federal do piauí fez, imaginou como teria sido, e para não ficar somente no plano das idéias ele pesquisou a história roqueira de teresina, reflexo no resto do estado, fez a sua monografia de final de curso , e não me interessa saber qual foi a nota, só me interessa a contribuição dessa obra pra história socio-cultural sobretudo roqueira do nosso estado, e principalmente a iniciativa de disponibilizar na rede o trabalho para deleite de quem for curioso.

não conheço pedro jansen, nunca fui a um show da banda dele, embora eu tenha uns dois mp3 do nelson thereza café no meu pc, mas o seu trabalho pra divulgar esse pedaço da história no nosso solo, entre os anos de 66 a 76, me fez ser uma grande admiradora da sua iniciativa. e você piauiense ou não, roqueiro ou não faz bem ao ler essas páginas que mostram os primeiros 10 anos de rock no piauí..aonde???

Aqui nesse final entra o link pro blog do Fabinho, onde você baixa o livro… o link tá permanente aí do lado, em 5 opções diferentes. também!

Depois, com mais busca, cheguei nessa nota, do Jorginho…

Livro

O jornalista Pedro Jansen foi, pegou a história do rock piauiense, que não é pequena nem gigante e fez o livro-reportagem, Deus Ex Machina, on line. O músico Geraldo Brito também prepara um livro, impresso, sobre a música piauíense. E, Kenard Kruel, tenta lançar um outro livro sobre Torquato Neto. Ele está com uma corrente para angariar fundos e editar o livro.

Eu espero que saiam mais livros sobre isso mesmo, muitos e muitos e que a história do rock teresinense fique bem retratada. Tive sorte que o Geraldo Brito não negou informações… isso costuma acontecer quando existem interesses em comum envolvidos. O cara foi um gentleman, abriu a casa dele pra falar e me contou quase tudo desse tempo aí do meu livro. Acho que se o dele passar por uma boa revisão, fica supimpa! 🙂

Além disso, é pra vir aí outro TCC, dessa vez na FSA, sobre o rock teresinense, só que abordando o período subsequente ao meu. A autora, a vocalista da Mary Jane e futura jornalista, quer retratar de 76 a 80 e poucos… Bacana demais…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s