Cole aqui sua desculpa esfarrapada

Hoje ela me juntou no sofá, como quase sempre junta, e botando a leitura de lado, perguntou porque jornalistas costumam escrever tão pouco fora do ambiente de trabalho. A impressão dela, depois de três anos na mesma casa, era de que uma parcela considerável daqueles jornalistas acreditavam – ou não faziam nada para desmentir os boatos – no produzido ao batente como a meta do dia. Perspicaz, correto?

Enquanto ela desfilava seus argumentos pra lá de charmosos e instigantes, eu me recordava de um daqueles perfis @qualquercoisadadepressao, que um dia tuitou como era profunda a tristeza de passar o dia produzindo para seus clientes e chegar à noite não ter disposição para enfim produzir para si. Válido, como toda generalização. Pensei nisso e imediatamente concluí que… epa, não é por isso que eu deixo de escrever no blog não, hein?

Não, não é.

Talvez a minha desculpa predileta seja a que me apareceu, acho, logo na introdução de A Arte de Fazer um Jornal Diário, do Noblat. E vinha com uma história, claro. Contava ele que uma pesquisa feita por X no ano Y sobre o hábito de consumo de informação nos EUA [???] tinha apresentado que dentre os leitores mais fiéis do NYT, apenas 3% liam o jornal inteiro. Dos infinitos pontos finais dos incontáveis textos das sei lá quantas páginas que uma edição ordinária do maior jornal do mundo colocava nas bancas e nas mesas de milhares de leitores, apenas 3% deles eram vislumbrados, admirados. “Logo…”, se você quer leitores para o seu o texto, é bom que ele tenha um abre que instigue, prenda, prometa e cumpra, bata o escanteio e faça o gol de bicicleta…

Essa parecia sempre perfeita e a postos para dissipar – ainda que momentaneamente – a pilha de escrever um texto. Como fugir à necessidade de ter a frase, o argumento, o punchline perfeitos? Impossível. Ideia sem forma não dá.

Mas também não é por isso que eu deixo de escrever.

Outro sambarilóve recorrente – e que se encaixa perfeitamente a esse de cima – é a dificuldade em manter a inspiração por perto. Vem a fagulha mas a palha não está lá muito seca pra fazer todo aquele esforço virar fogo. Pior é quando você anota os raciocínios que te motivaram a escrever um texto mas quando encara aqueles rabiscos ou pixels, eles não passam de agrupamentos de palavras; a verve passou.

Já inventaram ferramentas, métodos, passos e todo tipo de pajelança que prometa manter produtores de conteúdo na linha, quase todos sem sucesso. Um dia é cansaço, no outro é o vinho, num terceiro preguiça, mais adiante sono e por aí vai. Mas quem lê tanta notícia, não é mesmo, Caetano?

Nessas, outra boa desculpa é quando a ideia do post que quero escrever não convence nem a mim, que dirá a um ocasional leitor…

***

Uma coisa marcante que a internet nos deu foram os pedidos de desculpa por falta de postagens em blogs/tumblrs e afins. Quase tão quanto as despedidas e assinaturas ao fim de cada post. A ideia de audiência, o compromisso com ela. Tão… 2000, 2001. Quantos desses pedidos nós já não lemos por aí. Acabam funcionando como o live action daquela história do guri que mentia sobre estar se afogando num lago [ou sendo atacado por um lobo] e, de tanto abusar da fé das pessoas ao seu redor, acabava mesmo era se ferrando bonito. Trágico, mas só o bullying educa.

Talvez a “desculpa” mais esfarrapada e ainda assim a única real seja a de que quem escreve precisa de uma motivação para escrever. Não inspiração. Não tempo. Não tesão. Motivação. Um motivo. Uma razão. A morte do cachorro. A promoção. O evento incrível. O evento não tão incrível

E a minha sumiu. Acho que ficou tão satisfeita em me ver feliz que foi passear…

About these ads

2 comentários sobre “Cole aqui sua desculpa esfarrapada

  1. Se diferenciar nesse mercado amplo (e que só tende a crescer) é, perdão da palavra, foda. Mas, eu ainda sou daquela opinião, de que, acima da motivação do dinheiro, se tu faz a coisa com paixão, o troço sai bem feito, sai “diferenciado”. Por que você pensa, filosofa, questiona e produz pelo simples fato de amar aquilo e tentar sempre melhorar. É aí que tu se diferencia do resto. Enquanto alguns são mecânicos e braçais, há sempre os pensadores e ativos, aqueles conseguem melhorar aquilo que só o mecânico fazia.
    Mas, boa questão que tu me cutucou: eu escrevo o dia inteiro pra cliente, por que não, produzir textos para mim? Para o meu desabafo, para acalento, para diversão?
    Vou pensar nisso quando chegar em casa.
    Abraços, Pedro.
    Luma.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s